Tradução x Versão II: esclarecendo pontos importantes

Olá pessoal,

Achei por bem deixar a série de posts para quinta-feira (amanhã não conseguirei postar) e continuar nossa conversa sobre Tradução x Versão. Prometi à Isabel que responderia ao comentário dela de ontem por aqui . Ela diz:

“não entendi por que não fazer versoes. e se a pessoa gostar de escrever em inglês, qual o problema? nao entendi por que nao fazer versoes, por favor me explique melhor. algumas vezes quando trabalho nao fica legal eu devolvo o dinheiro mas adoraria estudar mais e fazer versoes por que é o que eu gosto, adoro escrever em ingles”.

Vamos aos esclarecimentos, então (hora de pegar um cafezinho 😉 ):

1- Gostar de escrever em inglês praticamente nada tem a ver com traduzir um texto para o inglês. Ambos usam o registro escrito em uma língua comum – o inglês – e só. O “escrever em inglês” é seu. Você se compromete apenas com você mesmo. Seu texto é o original, ou seja, não se baseia em nenhum outro e comunica um pensamento ou uma opinião pessoal, seja para você mesmo (em um diário, por exemplo), seja para outra pessoa (em uma carta ou um e-mail comercial, por exemplo).

2- Já traduzir, como atividade profissional, implica dever com o autor do texto original. O texto não é seu, a mensagem não é sua. Você não está realmente escrevendo, no sentido de produzir conteúdo. Está apenas transmitindo a mensagem de uma outra pessoa – seu cliente, em outra língua. Ou seja, escrever um texto é criar uma mensagem. Traduzir um texto é veicular a mensagem de um terceiro em outro idioma.

3- Certamente o tradutor precisa gostar de escrever, o que não significa, necessariamente, gostar de criar um texto. O “gostar de escrever do tradutor” é gostar de lidar com textos e palavras, ter habilidade para interpretá-los nos idiomas com os quais trabalha, fazer uso correto da gramática e nunca deixar de estudá-la, ler muito para saber escrever melhor ainda. Isso quer dizer que esse “gostar” exige estudo e disciplina, o que o tira da categoria “hobby” e o insere na categoria “profissão”.

4- Supondo que uma pessoa goste de escrever (criar textos), ainda assim não é garantia de que será um bom tradutor. As habilidades do tradutor não estão apenas concentradas na construção de um texto, mas em muitas outras práticas necessárias a essa atividade profissional. O tradutor precisa fazer pesquisas muitas vezes detalhadas e aprofundadas sobre assuntos que não conhece bem (e também saber onde acessar as informações), ter um conhecimento geral consideravelmente vasto para não cair em armadilhas tradutórias, conhecer bem a cultura do idioma estrangeiro, cuidar da fluência e da coerência da tradução sempre pensando no público-alvo, estar inteirado com a tecnologia atual (não precisa ser um hacker, mas precisa conhecer bem suas ferramentas de trabalho), fora toda a parte comercial, como captar clientes e fazer networking.

5- Agora falando especificamente de versão. Por mais que uma pessoa conheça muito bem um idioma estrangeiro, ela nunca será falante nativa daquele idioma (com exceção de indivíduos bilíngües, aqueles que foram criados ouvindo e falando dois idiomas concomitantemente – e que, mesmo assim, nem sempre serão bons tradutores). Isso significa que um falante de português que aprendeu inglês jamais terá a mesma fluência e entendimento das pequenas nuances da língua inglesa como um americano ou um britânico. Ele terá aquela fluência do estrangeiro que fala uma segunda língua, ou seja, do brasileiro que sabe se comunicar em inglês, que fala e escreve bem, mas que produz um texto ou participa de uma conversa com o “sotaque” de sua língua materna, o português. Se você der uma pesquisada, vai ver que alguns livros e páginas na internet falam sobre “os erros mais comuns cometidos por estudantes de inglês”, os quais, no fundo, mesmo um profissional não está totalmente livre de cometer. Isso porque cada povo entende a língua e a cultura de formas distintas e isso fica bem claro em seus discursos. Por exemplo, por que será que em português falamos “interferir em”, mas em inglês é “interfere with”? E por que, de vez em quando, pipoca um texto com “interfere in”? Saber essas pequenas sutilezas é que vai distinguir os bons dos maus tradutores. E é por isso que fazer versão é complicado, porque são sutilezas que não nos são naturais, exigem olhar treinado, estudo e muita prática. Por isso, nunca é demais repetir: traduzir/verter não é apenas transpor palavras de um idioma para o outro.

6- Não que seja proibido um falante de português passar um texto para o inglês. Só que a atenção e o cuidado devem ser redobrados. Como vimos ontem nos comentários da Tradutores/Intérpretes BR, o mercado aqui no Brasil tem muita demanda por versões, mas não tem número de nativos suficientes para realizá-las. O tradutor brasileiro que se comprometer a fazê-las deve estar ciente de sua responsabilidade e, de preferência, contar com um revisor. Assim, poderá garantir a qualidade de seu trabalho e atender às necessidades de seus clientes.

7- Isabel, se você quer se dedicar ao ofício de tradutor, precisa encarar essa atividade como profissão e não como passatempo. Imagine que você compra uma blusa e, quando chega em casa, percebe que está com defeito. Você volta até a loja querendo uma blusa igual, porém sem defeitos, afinal você escolheu aquela loja porque gosta muito da marca. Mas o vendedor diz que não pode consertar sua blusa nem lhe dar outra nova e acaba devolvendo seu dinheiro. Como você se sente nesse tipo de situação? Você perdeu seu tempo indo até a loja (que não percebeu o defeito na peça) duas vezes (para comprar e para trocar) e a loja não conseguiu solucionar seu problema, resolvendo que é melhor você gastar seu dinheiro em outro lugar. Se fosse eu, nunca mais voltava na loja. Com o tradutor é a mesma coisa. Quando um cliente seu recebe a tradução e vê que ficou ruim, ele está fazendo o seu serviço. É você que tem que prezar pela qualidade de seu trabalho, não o cliente. E se ele não entende inglês? Imagine que ele, que não sabe uma palavra de inglês, pede para você verter o resumo de um artigo que deseja publicar em uma revista científica internacional. O artigo (que, tudo dando certo, poderá ser seu próximo trabalho) será aceito com base apenas nesse resumo. Se você fizer uma versão ruim, prejudicará a carreira de seu cliente e todo o trabalho que ele teve escrevendo o artigo terá sido em vão (além de você perder o que seria seu próximo trabalho). É como se você se produzisse toda para uma festa e não visse o defeito da blusa, saindo com o sutiã (ou coisa pior) aparecendo. Quero dizer, a responsabilidade do tradutor não é nada pequena. Se você pensar que os tradutores traduzem bulas de remédio, manuais de máquinas pesadas e perigosas, manuais de instrumentos cirúrgicos, etc., perceberá que não é exagero. Um erro na tradução e uma pessoa pode perder um braço, tomar uma medicação errada ou até morrer.

8- Além disso, você nunca conseguirá se firmar no mercado se seus clientes precisarem devolver seu trabalho, pois dificilmente eles lhe procurarão novamente. Cliente não dá em árvore e uma hora você se verá sem nenhum. Portanto, se quer seguir esse caminho estude, como você disse (inclusive nunca deixe de aperfeiçoar o português, sua primeira língua). Estude muito e tenha sempre consciência de suas limitações. Quando receber textos, leia e avalie se terá condições de vertê-los. Não é errado dizer não, como eu disse ontem. É melhor negar um serviço e se preservar, do que aceitar o que está acima de sua capacidade e deixar seu cliente sair com uma blusa furada.

Anúncios

Tags:, , , ,

9 responses to “Tradução x Versão II: esclarecendo pontos importantes”

  1. isabel says :

    olá gostei mutito do texto, achei ele importante, mas para esclarecer não faço traduçoes como passatempo, sou revisora de Inglês, tradutora e professora de Inglês há 15 anos, acho importante fazer cursos de traducoes e sempre estudar a língua e o mais importante ler bastante as duas línguas e acho que a partir de um estudo da lingua assim como vivência no exterior e o mais importante cursos nas duas profissoes, sou agronoma e licenciada em letras, e acho que nao só para tradutor mas tambem para jornalismo a pessoa tem que ser formada em dois cursos.
    abraços, isabel.
    (estou gostando das discussões)

    • Lorena Leandro says :

      Oi, Isabel! É verdade, ler bastante as duas línguas é essencial, é lendo que a gente aprimora nossa escrita. Quando falei de passatempo, o que quis dizer é que o tradutor deve investir pesado e se dedicar muito ao que faz. Como você disse: estudar, ler, se aperfeiçoar, buscar cursos. É isso mesmo! A discussão está rendendo muito e também estou gostando, viu? Como há coisa para ser falada! E a opinião de quem passa por aqui é importante, assim a gente vê os vários lados de um mesmo assunto. Abraços 🙂

  2. Heitor says :

    Só me resta assinar embaixo!
    É como disse a Thays no post anterior: temos que evitar os extremos. Claro que um tradutor estrangeiro faria melhor que um brasileiro, mas, por mais que seja até preferível, não podemos taxar que um brasileiro não possa verter um texto pra outra língua. Com a devida responsabilidade, é claro.

    (P.S.: Adorei os cavalinhos! :P)

  3. Thays Mielli says :

    Esse papo todo me deu sorte, rsrs.

    Um cliente para quem faço versões apareceu com um pedido de 500 palavras em 1h. Quando aparece, é sempre assim. Olhei o assunto, vi que era tranquilo e parti pra cima. Como falei antes: se tivesse a revisão de um nativo, sairia melhor, fato. Mas o cliente estava ali desesperado para levar aquelas 500 palavras para um evento hoje. Era eu ou eu. É bom que essas loucuras sempre rendem 50% a mais pela urgência. E vamos continuar falando do assunto pra aparecer mais 😛

    • Lorena Leandro says :

      Aeeee, que maravilha! You go, girl 😀
      Aliás, esse é outro assunto: como cobrar. Acho a taxa de urgência chique e necessária!

  4. Marylin Lima (Marie) says :

    Oi, Lorena!

    Gostei muito dos artigos! Logo que vi a dúvida da Isabel pensei: “Hum, isso com certeza vai virar um novo artigo!”

    Parabéns pela abordagem tão pertinente das versões, pela escrita gostosa de ler, e pela lembrança da discussão no Orkut! Espero que o pessoal dê uma olhada no que mais foi dito por lá sobre esse assunto e outros.

    Também adorei os cavalinhos! E também acho a taxa de urgência chique e necessária! Aguardando para ler sobre as cobranças… rsrs
    Um abraço!

    • Lorena Leandro says :

      Oi, Marie!
      Eu também espero que o pessoal se anime e vá até a 50302 e veja esse e outros assuntos. Foi lá que aprendi tanta coisa!
      Eu achei ótima a dúvida da Isabel para poder aprofundar a questão. Inclusive, quando escrevo, aprendo muito também, porque acabo pensando com mais calma sobre as questões abordadas.
      Estou esperando alguém me dar esses cavalinhos de Natal! hahaha
      Super beijo!

  5. LLEAL says :

    Antes de afirmar que um “falante NATO de inglês” possui uma capacidade maior do que um brasileiro, deveria ser questionada a formação educacional do nativo nesse idioma.

  6. Lorena Leandro says :

    Oi LLeal, obrigada pela colaboração!

    Quando falo sobre falantes nativos que traduzem, está implícito que falo daqueles que se prepararam para o ofício de tradutor, não qualquer falante. Eu mesma tive um chefe britânico que pedia para eu corrigir os erros nos e-mails dele (em inglês), então a gente sabe que há níveis e níveis de gramática e compreensão de texto entre os falantes de uma língua.

    Abraços!

Contribua para a discussão

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: