Archive | CAT Tools RSS for this section

CAT tools: afinal, o que são?

Algumas pessoas têm escrito perguntando sobre as CAT Tools. Essas ferramentas são muito importantes para os tradutores e facilitam nosso trabalho de inúmeras maneiras. Não sou uma expert e nem trabalho com todas as CATs do mercado, então meu objetivo com esse post não é dar informações técnicas sobre elas, mas sim esclarecer o que são e como elas podem nos ajudar. Para exemplificar, vou usar algumas imagens do Wordfast, uma das diversas CAT tools existentes e a que mais uso. Vamos lá?

O que são CAT Tools?

Computer-assisted translation tools (ou computer-aided translation tools) são ferramentas (mais especificamente, softwares) que auxiliam o processo da tradução feita por um humano.

Para que servem?

Ao contrário do que muitos imaginam, as CAT tools não fazem o trabalho no lugar de um tradutor, ou seja, não fornecem traduções automáticas [1]. Elas apenas são auxiliares dessa tarefa. O que elas automatizam é a parte manual do trabalho, ou seja, agilizam a digitação, facilitam a consulta de glossários e permitem criar um banco de dados de traduções, entre muitos outros recursos.

Como funcionam?

As CATs são softwares que instalamos no computador e não precisam da internet para serem usadas [2]. Veja abaixo os recursos básicos das CATs:

  • Oferecem visualização muito melhor do texto fonte, sem precisar alternar janelas ou traduzir por cima do original. Com a CAT, você tem os dois textos na mesma janela, um embaixo ou ao lado do outro, e o texto original é dividido em segmentos. Veja abaixo (clique na figura para ampliar):
Interface do Wordfast
  • No geral, não é preciso se preocupar com a formatação, pois a CAT já mantém a formatação do texto original na tradução.
  • Poder criar glossários e consultá-los enquanto se traduz. O Worfast, por exemplo, tem a opção de um glossário dinâmico; bastam alguns comandos para inserir termos no glossário ou para inserir um termo diretamente na tradução.
Ativação do glossáro no Wordfast
O destaque azul significa que a palavra está no glossário. Basta um comando para inserir a tradução dela na sua tradução.
  • Poder criar memórias de tradução. O grande lance das CATs é que tudo o que você traduz fica armazenado em uma memória. Caso você precise traduzir um texto com partes iguais a um texto que você já traduziu, não é preciso fazer tudo de novo. A CAT reconhece que um segmento já foi traduzido e o copia para você.

Por que é melhor traduzir com uma CAT tool?

Porque uma ferramenta como essa melhora muito a produtividade e a qualidade de nosso texto.

Mas como, se não é ela quem traduz?

As CATs nos ajudam a manter a consistência durante toda a tradução, já que podemos consultar termos nos glossários e inseri-los ao longo do texto. Com isso, não precisamos apenas confiar na nossa memória, ou então ficar voltando ao início do texto para verificar que palavra usamos para determinado termo no original. Isso resulta em otimização do tempo, pois avançamos mais rápido já que não precisamos fazer essas interrupções.

Além disso, ter todas as nossas traduções armazenadas significa poder traduzir textos com partes semelhantes muito mais rapidamente e sem grandes variações de termos. Outra vantagem de ter uma memória de tradução é avaliar o desenvolvimento de nosso trabalho, pois temos nossos textos antigos para avaliar nossas escolhas e melhorá-las ao longo do tempo.

É obrigatório traduzir com uma CAT tool?

Não. Inclusive, as CATs ajudam imensamente os tradutores técnicos, mas nem sempre são tão úteis para quem traduz literatura (o que não quer dizer que tradutores literários não podem usá-las ou que elas não sejam vantajosas em algum momento para eles). Quero dizer que nada é verdade absoluta, mas quanto mais pudermos oferecer para o mercado, melhor. E quanto mais pudermos ser rápidos e produtivos, mais o mercado nos quer.

Estou começando, qual a melhor maneira de investir nas CATs?

A melhor maneira é não se afobar. Primeiro, é preciso avaliar o que o mercado tem exigido de você. Se você nunca mexeu com CATs, a melhor maneira é usar as versões gratuitas para se acostumar com elas. Depois, se você preferir, pode fazer um curso da CAT à qual melhor se adaptou e comprá-la. Há CATs mais completas (e mais caras), que se alinham com as extensões de outras CATs, mas talvez você vá precisar delas em um outro momento. Portanto, não pule etapas. Entenda primeiro como elas funcionam, se acostume a lidar com elas, veja o que os clientes têm pedido a você [3] e depois avalie quais valem o investimento.

Onde posso achar informações mais detalhadas sobre as CATs?

Translators Training: esse site tem vídeos gratuitos que mostram um pouco sobre cada CAT tool. É ótimo para ver como são as interfaces das CATs.

Cattools.org: esse link traz breve explicação sobre as CATs, uma listinha de CAT tools e o resumo de quatro delas.

Tradução via Val: O Tradução via Val traz muitos artigos sobre CATs e sobre como lidar com elas. O primeiro texto do link é bem legal para quem está começando.

[Atualização] O amigo William Cassemiro deu a dica para esse ótimo link, com uma lista bem completa de CATs: http://www.traduzioni-inglese.it/tools-for-translators.asp?resource=Computer%20Aided%20Translation%20Tools

Outros links interessantes:

http://www.metatexis.com/cat.htm

http://en.wikipedia.org/wiki/Computer-assisted_translation

http://translationjournal.net/journal//34CAT.htm

***

[1] O Wordfast tem uma opção de acoplar o tradutor automático do Google. Porém, essa é uma prática anti-ética e totalmente mal-vista no mercado. Um tradutor não é pago para jogar um texto no tradutor automático e dizer que foi ele quem fez. Além disso, todo texto traduzido automaticamente é facilmente detectado, pois ele sempre tem erros grosseiros e muitas inconsistências. Tenho certeza de que você não quer correr o risco de queimar seu filme no mercado dessa maneira. 😉

[2] Há, agora, o Wordfast Anywhere, ferramenta simplificada para quem deseja trabalhar online: http://www.freetm.com/

[3] Muitos clientes exigem que você trabalhe em determinada CAT. Esse assunto dá pano para a manga. O ideal mesmo é que nós, tradutores, tenhamos a liberdade de escolher com quais ferramentas queremos trabalhar, mas nem sempre isso acontece. Você pode ler mais sobre esse assunto (e sobre vários recursos das CATs) aqui: http://pribi.com.br/traducao/traducao-quem-decide-com-qual-ferramenta-vou-trabalhar

%d blogueiros gostam disto: